segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Em poucas palavras...

Não vivo rodeada de amigos nem sou a primeira a ser convidada pra festas de aniversários. Minha agenda do celular não deve ter mais que cinquenta contatos e acredite você, essas coisas não me entristecem.

Não sou o tipo de pessoa que mima os outros nem passo a mão na cabeça se eu não apoio a atitude da pessoa. Não falo que amo se eu só gosto, nem falo que odeio se eu amo. Confesso que boa parte das vezes, não falo nada. Prefiro o silêncio.

Não sei ser duas caras nem faço questão de muitas amizades. Ca entre nós, tenho bem poucos amigos e quando digo poucos, são bem  poucos mesmo.

Já fui deixada de lado quando fui a única que estendeu a mão e já fui reconhecida por pessoas que eu mal conhecia...
Não sou o tipo que liga pra desejar feliz aniversário, mas me desmancho toda pra escrever um sms se assim eu puder fazer.

Acredito que para dias bons, devemos aproveitar ao máximo e para dias ruins, apenas ter paciência.
Para mim, Deus é e sempre será a única 'pessoa' realmente fiel que confiarei 100%, e sobre isso não existe negociação.

Não é que eu acho que o amor não existe. Só acho que ele demora demais pra chegar. Se chegar.

Não sou do tipo de pessoa que rotula alguém pela aparência. Com a mesma intensidade que aperto a mão do meu superior, aperto a mão de um mendigo na rua, mas admito que não consigo lidar com elogios de nenhum dos dois se vierem.

Discordo que existam pessoas inesquecíveis. Diria apenas que algumas permanecem em nossos pensamentos tempo maior do que estabelecemos.
De certo modo, todas são esquecidas em algum momento.

Costumo observar bem mais do que falar. Concordo que encontrar as palavras certas nem sempre é fácil e que palavras machucam mais do que uma surra bem dada. Devemos tomar cuidado com o que falamos, embora nem sempre eu faça isso.

Não é que eu tenha perdido a fé nas pessoas. Só acho que muitas, ou maior parte delas, são voláteis demais. Um dia nos amam e no outro nos odeiam com a mesma intensidade. São capazes de fazer coisas absurdamente inacreditáveis em nome dos seus próprios interesses.

Não tenho medo de perder pessoas que amo (exceto da minha família). Tenho sempre em mente que outras pessoas virão.

Acredito que dias melhores sempre virão e que somos capazes de suportar coisas que até nós mesmos duvidamos. Você só sabe o quanto é forte, quando a sua única saída é ser forte.

Acredito que existe cura para a frieza das pessoas e a distância dos sorrisos. Para a criminalidade, a fome e a violência. Se cada um de nós fizer a nossa parte independente de reconhecimento ou prêmios.

Não guardo mágoas de ninguém nem sei excluir as pessoas da minha vida, mas de uns tempos pra cá, tenho sentido necessidade de reavaliar os meus valores.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Quase...

Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase. 
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. 

Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. 
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas ideias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto.
A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bom dia”, quase que sussurrados.
Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo atrai.Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. 

Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris, em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de  si. 

Não é que a fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance. Para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém preferir a derrota prévia à dúvida da vitória, é desperdiçar a oportunidade de merecer. 

Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. 

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. 
Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. 

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O que você sabe sobre o amor ?

Olha pra mim de frente e responda: O que você sabe sobre o amor?
Fala pra mim do seu casamento, do seu namoro, dos seus projetos pro futuro..
Me fala que fora as peregrinações imprevistas na vida, nada poderia vir a perturbar o seu amor...

 Se é pra conversarmos abertamente, eu queria te fazer uma pergunta, se prometer responder com sinceridade. Quanto tempo durou a sua mais demorada história de amor? Não estou me referindo  à seu último romance nem a sentimentos sonhados, mas de relação vivida. Dois, três, quatro, quem sabe cinco anos? Pouco importa.

Dizem que o amor dura sete anos. Você seria capaz , por sete anos, se oferecer à alguém sem reservas, completamente, sem se conter, sem apreensão nem dúvidas, sabendo que essa pessoa que você ama mais que qualquer outra coisa no mundo, pode vir a esquecer tudo que viveram juntos?

Sabendo que isso é inevitável, teria ainda força para se levantar no meio da noite se a pessoa amada estivesse com sede ou simplesmente tido um pesadelo?
Vai ter vontade diariamente pela manhã de preparar o café para essa pessoa, se esforçar para estar presente no dia dela, diverti-la, contar histórias se ela se entediar, cantar para ela, sair para que ela tome um pouco de ar mesmo que lá fora faça um frio glacial, e depois, à noite, ignorar o cansaço e vir à cama dela para sossegá-la, falar de um futuro que ela necessariamente vai viver longe de você?

Se a resposta para cada uma dessas perguntas for afirmativa, nesse caso me desculpe por ter te julgado mal, você sabe o que é amar.
O amor que eu acabo de descrever é o amor de um pai ou mãe pelos seus filhos.

Quantos dias e noites passados a cuidar, a vigiar a menor possibilidade de perigo, a olhar, a ajudar a crescer, a secar as lágrimas, a fazer rir, quantos parques no inverno e praias no verão, quantos quilômetros percorridos, palavras repetidas, tempo dedicado...no entanto, a partir de qual idade se guarda as primeiras lembranças da infância?

Pode imaginar a que ponto é preciso amar para aprender a viver para vocês, sabendo que vão esquecer tudo daqueles primeiros anos e nos anos seguintes vão se ressentir do que não fizemos direito?
E que virá com toda certeza o dia em que nos deixarão, orgulhosos pela liberdade adquirida?
Pode imaginar o quanto é terrível o dia em que os filhos vão embora? O gosto dessa ruptura?

Vou contar o que acontece...
A gente fica ali como um idiota, na soleira da porta, vendo vocês partirem, se convencendo de que é preciso incentivar essa separação, se alegrando com a irresponsabilidade que anima vocês e arranca um pedaço de nós.

Fechada a porta é preciso reaprender tudo, preencher os cômodos vazios, não controlar o barulho dos passos, esquecer os estalos tranquilizadores da escada quando chegavam tarde da noite e podíamos finalmente dormir sossegados, passando no entanto a ir buscar o sono em vão, já que vocês não estão mais prestes a chegar...
Mesmo assim, pai e mãe nenhum se vangloriam  e isso é amar, sem que se tenha outra escolha, uma vez que nós amamos vocês.


____
Trecho retirado do livro:
"Tudo aquilo que nunca foi dito" 
de Marc Levy
Págs: 202 e 203

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

A síndrome dos 20 e tantos...

Você começa a se dar conta de que seu círculo de amigos é menor do que há alguns anos. Dá-se conta de que é cada vez mais difícil vê-los e organizar horários por diferentes questões: trabalho, estudo, namorado(a) etc. E cada vez desfruta mais dessa cervejinha que serve como desculpa para conversar um pouco.

As multidões já não são ‘tão divertidas’, às vezes até lhe incomodam. Mas começa a se dar conta de que enquanto alguns eram verdadeiros amigos, outros não eram tão especiais depois de tudo.
Você começa a perceber que algumas pessoas são egoístas e que, talvez, esses amigos que você acreditava serem próximos não são exatamente as melhores pessoas. 

Ri com mais vontade, mas chora com menos lágrimas e mais dor. 
Partem seu coração e você se pergunta como essa pessoa que amou tanto e te achou o maior infantil, pôde lhe fazer tanto mal. 

Parece que todos que você conhece já estão namorando há anos e alguns começam a se casar, e isso assusta! Sair três vezes por final de semana lhe deixa esgotado e significa muito dinheiro para seu pequeno salário. 

Olha para o seu trabalho e, talvez, não esteja nem perto do que pensava que estaria fazendo. Ou, talvez, esteja procurando algum trabalho e pensa que tem que começar de baixo e isso lhe dá um pouco de medo. 
Dia a dia, você trata de começar a se entender, sobre o que quer e o que não quer.
 Suas opiniões se tornam mais fortes. Vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando um pouco mais do que o normal, porque, de repente, você tem certos laços em sua vida e adiciona coisas a sua lista do que é aceitável e do que não é. 

Às vezes, você se sente genial e invencível, outras… Apenas com medo e confuso. 
De repente, você trata de se obstinar ao passado, mas se dá conta de que o passado se distancia mais e que não há outra opção a não ser continuar avançando. 

Você se preocupa com o futuro, empréstimos, dinheiro… e com construir uma vida para você. 
E enquanto ganhar a carreira seria grandioso, você não queria estar competindo nela. 
O que, talvez, você não se dê conta, é que todos que estamos lendo esse texto nos identificamos com ele.

Todos nós que temos ‘vinte e tantos’ e gostaríamos de voltar aos 15-16 algumas vezes. 
Parece ser um lugar instável, um caminho de passagem, uma bagunça na cabeça… Mas TODOS dizem que é a melhor época de nossas vidas e não temos que deixar de aproveitá-la por causa dos nossos medos… 
Dizem que esses tempos são o cimento do nosso futuro. Parece que foi ontem que tínhamos 16… Então, amanha teremos 30?!?! Assim tão rápido?!? 



__ Autor Desconhecido

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

O medo de um amor incerto.

Se existe verdades absolutas neste mundo, uma delas é que todos nós temos medo de sofrer. Assim, ingenuamente tentamos controlar as situações ao nosso redor, como se isso fosse possível.
Obcecados por esse desejo de nos proteger, gastamos nossa energia e o nosso tempo tentando controlar os pensamentos, as atitudes e até os sentimentos das pessoas que amamos e que, sobretudo, desejamos que nos amassem.

No entanto, não nos damos conta de que a vida se baseia no imprevisível, no incontrolável, no surpreendente!

Nenhum sentimento é garantido, nenhuma conseqüência é revelada antecipadamente. O futuro é totalmente incerto.
E apesar de tamanha imprevisibilidade, temos em nosso coração toda a possibilidade de conquistarmos o que e quem amamos, o que é muito diferente de controlar, prever ou obter garantias!

Muitas pessoas não conseguem encontrar um amor, não se entregam a uma relação profunda e verdadeira simplesmente porque estão, todo tempo, tentando obter certezas. 
As perguntas não param de gritar.

As dúvidas não têm fim e o medo de se deparar com a dor parece assombrar milhares de corações, impedindo-os de enxergar outra possibilidade, tão plausível quanto à de sofrer. 

Será que ele me ama? 
Será que vale a pena perdoar e tentar de novo?
Será que ele não vai me trair novamente?
Será que não estou sendo idiota?
Será que não vou sofrer mais do que se ficar sozinha?
Será?
Será?...
O que será.
Não importa agora!
Na verdade, nunca importará!

A pergunta correta é: "Eu quero?"
Quando aprendermos a responder, com respeito e responsabilidade a essa simples perguntinha, teremos previsto qualquer possibilidade.
Sim, porque o amor é uma chance, uma oportunidade; Não uma garantia; nunca uma certeza!

Podemos vivê-lo conforme nossa vontade, de acordo com nosso coração ou passaremos a vida inteira tentando controlar o incontrolável, garantir o incerto!

Jamais teremos como saber se o outro está sendo fiel, se o amor que sentimos é correspondido na mesma medida, se vai sofrer ou seremos felizes.
Jamais saberemos do amanhã ou do outro.

Então, que usemos nossa inteligência a despeito de todo o medo que isso possa nos fazer sentir.
Ou seja, que possamos, de uma vez por todas, abrir mão dessa tentativa inútil de controlar o amor, a vida e o outro e nos concentremos em nós, em nosso coração e em nossos reais objetivos!

Descobriremos que nos ocupar com nossos próprios sentimentos já é trabalho para vida inteira.
Que agir conforme nossa vontade, é o bastante para que nos sintamos preenchidos, embora possamos mesmo vir a sofrer.
Simplesmente porque o sofrimento é uma possibilidade tão possível quanto a felicidade!

E digo mais: só conseguiremos entrar de fato no coração de alguém, mesmo sem termos certeza disso, quando tivermos a audácia e a coragem de nos entregar ao imprevisível; quando conseguirmos compreender que a segurança é mérito pessoal, interno, sentimento que não se pode ter em relação a ninguém além de nós mesmos. 

Portanto, para todas as pessoas que têm me perguntado sobre qual é o "segredo" para viver a vida sem sentir tanta insegurança e tanto medo de sofrer, aproveito este momento para responder: o segredo está em saber se você quer, se você realmente quer!
Porque se você quiser e fizer por merecer, agindo você com sinceridade, qualquer possibilidade de dor e sofrimento valerá a pena.
Porque quando a gente quer de verdade, com o coração, a vida nos faz entender que sofrer faz parte do caminho e, no final das contas, é tudo crescimento, aprendizagem, evolução e, por fim, a tão desejada felicidade.

E não que ela esteja no final do caminho ou no final da vida, simplesmente porque ser feliz é isso: entregar-se ao imprevisível e aceitar a dor e a alegria como partes do amor!
E quando penso que essa entrega é realmente difícil, me lembro de uma frase que gosto muito:

"Se o seu problema tem solução, relaxe... ele tem solução.
E se o seu problema não tem solução, relaxe... ele não tem solução!"
É uma frase engraçada, mas muitíssimo sábia.
Portanto, quando estiver doendo muito, não resista!

Simplesmente relaxe e aceite, pois a resposta virá!



- Autor desconhecido.

domingo, 8 de dezembro de 2013

Príncipes e Princesas, Homens e Mulheres...Afinal.

A gente sabe quando a nossa vida não é importante para vocês. Sabemos quando só querem nos 'usar'. Quando se fazem de bons meninos só pra nos levarem pra cama com mais facilidade. Encurtar o tempo, poupar emoções, sabemos disso.
Mal sabem vocês, que somos mocinhas indefesas mas sabemos ser mulheres.

Confesso que as vezes deixamos nossas emoções falarem alto. Subimos nas nuvens por qualquer sms vindo do nada no meio noite. Nos desejando 'Boa noite' ou um bom dia sincero logo de manhãzinha. Mas não sabem vocês, que a grande maioria dos homens fazem isso no começo de tudo.

Todos têm um desejo enorme de nos conquistarem. Nos pegam em casa, escolhem os melhores restaurantes, nos levam ao cinema, passeiam de mãos dadas e claro, fazem questão de pagar a conta..

Alguns vão além e abrem a porta do carro o que particularmente comigo, esses  ganham pontos em dobro. Todos ouvem os nossos contos com os ouvidos atentos demonstrando total interesse em qualquer palavra que saia da nossa boca. Total disponibilidade para ajudar em alguma coisa caso a gente precise.

A grande maioria nos dias de hoje liga no dia seguinte, ou pensando melhor, mandam um WhatsApp ou SMS..Acredito que pra não transparecem a tal coisa de 'muito afim' como uma ligação transpareceria - na cabeça deles é claro. E deixam bem claro que 'nos veremos muito em breve novamente' e com certeza nos veem.

Todos no começo de tudo, são  príncipes encantados à procura da donzela indefesa. Todos querem nos agradar e nos fazem sentir as mais lindas da festa. A preferida entre tantas outras que obviamente eles poderiam estar. E nós acreditamos e sonhamos e fazemos planos.

Contamos pra nossas amigas animadas e felizes: "Amiga, com este vai ser diferente por que ESTE é diferente."
E ficamos felizes no nosso conto de fadas que aparentemente será eterno com final feliz. (Se bobear quase esquecemos que com o outro foi quase a mesma coisa.)

Depois de alguns encontros e tanta paparicagem afinal, a gente quebra a banca e vai pra cama. Afinal de contas estamos tão a fim quanto eles próprios estão e se tudo tem sido tão perfeito, fazer amor faz parte desta perfeição.
E a noite é maravilhosa como tudo nele e no seu comportamento. Voltamos felizes para casa e não vemos a hora de contar pra amiga: "Sim amiga, ele é bom de cama. É carinhoso é lindo é tudo e mais um pouco.." e nossa amiga torcendo pra nossa felicidade, vibra junto com a gente.

Todo mundo ta feliz até à alguns encontros. Quando do nada o príncipe encantado começa  a ficar manco. Deixa de prestar atenção em algumas coisas e não faz por mal, faz porque quer. Porque "já não somos mais as tais donzelas indefesas do começo de tudo".
Um sms fora de hora passa a ser luxo se vier. Os encontros passam a existir cada vez menos e aparecem muitas coisas pra  fazerem aos finais de semana.

O telefone vive sem crédito e o trabalho dobra, isso para as mocinhas que querem saber o  porquê o príncipe do nada virou sapo. Ta evitando e não faz mais questão da sua cia que era tão apreciável afinal de contas. (Particularmente não tenho o menor interesse em saber o motivo dos sumiços do moço. Mas muitas querem e eu acho certo saberem.).

Mas, o que muitas não sabem ou preferem não acreditar, é que o príncipe encantado já conheceu outra donzela. Está fazendo o mesmo teatrinho com ela e muito provavelmente vai durar o mesmo tempo que durou e a trocará por outra. E ela mesma conhecerá o próximo príncipe encantando muito em breve.
E assim, todos seguem a sua vida normalmente como se nada tivesse acontecido...

Meninas conhecem príncipes e príncipes conhecem princesas todos os dias.
O que esqueceram de avisar é que os contos de fada dos dias de hoje, são um pouco mais curtos. E que podemos viver mais de um durante toda a vida. Que nós mulheres, sabemos que não são eternos.
E que ambas as partes se divertem, uns mais outros menos, mas todos (não só os homens) se divertem afinal.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Do outro lado da janela...

Dois homens, ambos gravemente doentes, estavam no mesmo quarto de hospital.
Um deles podia sentar-se na cama durante uma hora todas as tardes, para que os fluidos circulassem nos seus pulmões. A sua cama estava junto da única janela do quarto. 
O outro homem tinha que ficar sempre deitado de costas.
Os homens conversavam horas a fio, falavam de suas famílias, suas casas, seus empregos,
onde tinham passado as férias...
E todas as tardes, quando o homem da cama perto da janela se sentava, ele passava o tempo a descrever ao seu companheiro de quarto, todas as coisas que ele conseguia ver do lado de fora da janela.

O homem da cama do lado começou a viver à espera desses períodos, de uma hora em que o seu mundo era animado por toda a atividade e cor do mundo do lado de fora.  A janela dava para um parque com um lindo lago, patos e cisnes chapinhavam na água enquanto as crianças brincavam com os seus barquinhos.

Jovens namorados caminhavam de braços dados por entre as flores de todas as cores do arco-íris. Enquanto o homem da cama perto da janela descrevia tudo isto, o homem do outro lado do quarto fechava os olhos e imaginava a pitoresca cena.
Um dia, o homem perto da janela descreveu um desfile que ia passar, embora o outro não conseguisse
ouvir a banda, ele conseguia vê-la e ouvi-la na sua mente, através de palavras bastante descritivas.

Uma manhã, a enfermeira chegou ao quarto trazendo água para seus banhos, e encontrou o
corpo sem vida do homem perto da janela, que tinha falecido calmamente enquanto dormia. Ela ficou muito triste chamou os funcionários do hospital para que levassem o corpo.

Logo que lhe pareceu apropriado, o outro homem perguntou se podia ser colocado na cama
perto da janela. A enfermeira disse logo que sim e fez a troca. Depois de se certificar de que
o homem estava bem instalado, a enfermeira deixou o quarto.

Lentamente, e cheio de dores, o homem ergueu-se, apoiando no cotovelo, para contemplar o mundo lá fora. Fez um grande esforço e lentamente olhou para o lado de fora da janela...que dava, afinal, para uma parede de tijolo!

O homem perguntou `à enfermeira , o que teria feito com que o seu falecido companheiro de quarto
lhe tivesse descrito coisas tão maravilhosas do lado de fora da janela.
A enfermeira respondeu que o homem era cego e nem sequer conseguia ver a parede.
"Talvez ele quisesse apenas dar-lhe coragem"...

Moral da História:
Há uma felicidade tremenda em fazer os outros felizes, apesar dos nossos próprios problemas. 
A dor partilhada é metade da tristeza, mas a felicidade , quando partilhada, dobrada. 
Se te queres sentir rico, conta todas as coisas que tens que o dinheiro não pode comprar.

O dia de hoje é uma dádiva, por isso é que lhe chamam "presente".


___Autor desconhecido.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Você se considera uma pessoa Humilde?

Não sei até que ponto, admitir que somos humildes, já não tira de nós a nossa própria humildade. Ainda que eu não me considere uma pessoa humilde...

Não há coisa mais bela, não há traje que dê tanta elegância, não há joia que realce tanto um perfil, como a humildade! Gênesis 3:19

Humildade é a virtude que consiste em conhecer as suas próprias limitações e fraquezas e agir de acordo com essa consciência. Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas.
A Humildade é considerada pela maioria das pessoas como a virtude que dá o sentimento exato do nosso bom senso ao nos avaliarmos em relação às outras pessoas.

Características como cordialidade, respeito, simplicidade (uma pessoa pobre nem sempre é humilde) e honestidade, mesmo sendo frequentemente associadas à humildade, são independentes. Portanto, quem as possui não precisa necessariamente ser uma pessoa humilde. Fonte: Wikipédia

Confesso que até hoje, poucas vezes na vida, conheci pessoas realmente humildes. E dá gosto conhecer gente assim. Que senta em qualquer lugar, que bebe no seu copo, que te abraça apertado e aperta a sua mão com gosto. Não fazem cara de nojo por qualquer besteira, sabem o lugar que ocupam e não fazem questão de se aparecerem.
Olham nos olhos da gente com sinceridade, independente de ser pobre, rico, bonito, feio, seu comportamento não muda.
Não têm aquela coisa que te intimida nos gestos e não ficam policiando seus atos afim de fazer certas comparações, ainda que inconscientes.

Hoje em dia as pessoas andam muito mesquinhas, dando muito valor pra coisas materiais, quando na verdade pouco disso importa de fato, para elas mesmas. Parece que criou-se uma barreira invisível que separa as pessoas mais favorecidas na vida, das menos favorecidas. E a humildade em meio a tudo isso, ta deixando de existir.

No inicio do texto, eu disse que não me considero uma pessoa humilde. Mas não sou o tipo de pessoa que passa por cima dos outros, que despreza as outras pessoas ou se sente melhor que alguém. É que para mim, humildade vai muito mais além e eu sei que em muitas coisas - como qualquer outra pessoa - eu deixo a desejar.

Se um dia alguém disser que você é uma pessoa humilde, considere-se uma pessoa de sorte.
O maior exemplo de humildade que tivemos na terra até os dias de hoje, foi Jesus Cristo. Embora seja Deus, durante o tempo em que esteve na terra, nunca se mostrou nem melhor nem pior que ninguém.
A Humildade é a virtude de quem 'não tem nenhuma outra'.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Se tivéssemos outra chance...

Mas vai chegar um dia em que olharemos para trás e reviveremos o nosso passado. As fotos e os nossos amigos - tão distantes e ao mesmo tempo tão próximos de nós.
Diremos 'velhos tempos' e os nossos olhos encherão d'água. 

Talvez em algum lugar dentro nós, sorriremos felizes contemplando o tempo e o quanto aproveitamos a vida..
Lembraremos que dançamos muito, sorrimos muito, trabalhamos muito e enfim, vivemos muito. E diremos que fomos felizes em tudo que tínhamos direito.
Ou não. 
Talvez olharemos para trás e lamentaremos o nosso passado. Tão raso de boas lembranças e tão curto para recordações. 
As fotos dirão o quanto éramos dispersos de boas emoções. 
O quanto nos preocupávamos com a opinião dos outros sobre nós, e sobre as coisas e tudo que fazíamos...

Então daremos conta de que a vida realmente passa muito rápido...
Olharemos para os nossos netos - e se tivermos sorte, os nossos bisnetos - e diremos a eles: 'Aproveitem a vida'. Não deixem de sair para se divertir com os amigos em função de 'amanhã tenho que acordar cedo'. 
Não bebam muito mas não 'bebam  pouco demais'. A ponto de não se divertirem porque se restringem demais à vida. 
E estudem. Mas não estudem demais.
Para não correr o risco de se acharem auto suficientes. Ou que são os donos da verdade, não precisam das outras pessoas ou que seu futuro já está garantido. 
Cuidem da saúde. De certa forma, ela é o bem mais precioso que alguém pode ter. 
E por fim, diremos aos nossos netos 'não deixem de ir à igreja pois precisam de Deus o tempo todo. Para vos guiar e tomar as decisões certas na vida.(...)'

Reviveremos nosso passado e sentiremos vontade de voltar atrás. 
E reencontrar algumas pessoas e comer algumas coisas e experimentar novamente aquelas tão poucas sensações. 
Sentiremos vontade de receber os mesmos elogios a respeito de nossa aparência. Tão jovem, delicada, e agora tão marcada pela vida.

Trabalhamos muito e não aproveitamos a família - que por sinal, já não é a mesma ha muito tempo.
Lembraremos das noites em que preferimos dormir muito à aceitar aquele convite... 
Passamos tempo demais na internet quando deveríamos ter ido à praia! E as águas já não são as mesmas.
Nem as pessoas e nem o tempo.

E então, sentiremos na pele a vontade de voltar atrás. Uma nova chance pra fazer tudo de novo. 
Pra viver de novo.
Teremos certeza de que arriscaríamos mais...Ousaríamos mais...Amaríamos mais. 
Faríamos de fato, o que queríamos fazer... Se tivéssemos outra chance.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A grandeza da humildade - Para refletir.

Certa vez um jovem procurou um sábio para receber alguma orientação sobre como agir diante das circunstâncias que se apresentavam. Ao encontrar o mestre, fez sua saudação e expôs o problema:

- Mestre, eu gostaria de entender o que há de errado comigo. Desde criança eu sou o mais esforçado de minha família. Comecei a trabalhar desde muito cedo, ao contrário dos meus irmãos, que nunca precisaram fazer nada. Na escola, apesar de minhas notas sempre estarem entre as melhores, nunca ganhei nenhum elogio de meus professores, diferente de alguns colegas que eram mais populares e frequentemente recebiam ajuda para passar nas provas. Ontem, na empresa onde trabalho, meu colega foi promovido a supervisor, mas é a mim que todos os colegas – inclusive o recém-nomeado supervisor – recorrem quando querem tirar as suas dúvidas. Por que o meu valor nunca é reconhecido?

Em resposta, o mestre deu um sorriso suave, olhou nos olhos do rapaz e disse, em um tom sereno e cheio de compreensão:

- Eu entendo que essas situações abalem você. Mas observe o livro da natureza e você compreenderá o sentido disso tudo. Na floresta, as maiores árvores são aquelas que foram desprezadas pelos lenhadores e só por isso puderam crescer até o limite de suas capacidades. Já aquelas árvores tidas como de madeira nobre tiveram seu curso interrompido muito antes.


- Na vida, todo aquele que é exaltado pelas capacidades que ainda não tem, se assemelha à árvore nobre que é honrada pelo machado do lenhador e ali estanca seu crescimento. Todo homem que é honrado pelo pouco que possui, toma esse pouco como uma grande fortuna e se esquece de adquirir algo mais. Ao contrário, aqueles que ainda não foram descobertos por seus tesouros, seguem livres em seu crescimento, até que um dia, assim como as mais altas árvores, não poderão mais ocultar sua majestade e sua grandeza.

- Chegará o dia em que você encontrará seu lugar e nele, seu trono. Isso tem que ser assim para que você não se acomode como um simples hóspede na jornada da vida e resolva ali permanecer, confortável e seguro. E enquanto o seu momento não chegar, siga aprimorando suas capacidades e busque dar o melhor de si em tudo que faz.

Ao ouvir essas palavras, o jovem acenou com a cabeça, demonstrando haver entendido o valor daqueles conselhos e, com um leve sorriso no rosto, agradeceu e partiu.


Autoria: Roger Alves

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Sobre você e essa sua ausência...

Ta bom, vai. Chega de mentir para mim mesma. Você me faz falta! VOCÊ ME FAZ FALTA! Faz uma falta danada!
Sinto falta de alisar os pelinhos do seu braço, de debruçar no seu peito e de dormir ao seu lado.
Sinto falta de ouvir a sua voz e as suas broncas e o seu mau humor insuportável.

Sinto falta de ver o seu nome no visor do celular, quando algum inconveniente me liga. E do som do sms que obviamente não é você..

Sinto falta de te zoar e de ser zoada. De dar risadas contigo e conversar horas ao telefone.
Sinto falta do seu jeito certinho, durão e sempre tão decidido.
Do seu apreço por comer bem e a sua mania de comprar coisas caras..

Sinto falta do seu jeito bobo de me desejar boa  noite, sempre acompanhado de um 'dorme bem'. (Mal sabe você que eu não dormia tão bem, pensando em você sozinho a quilômetros de distância de mim.)

Sinto falta dos nossos encontros...Tão raros e tão intensos.
E também das despedidas...tão cheias de idas... e vindas...

Sinto falta de me preocupar contigo por besteiras...tão minhas e tão suas.
E da sensação de ser mimada por você.

Sinto falta da sua companhia nos domingos a noite e de saber que eu podia te ligar a qualquer hora do dia.
E da atenção que você dava pras minhas reclamações tão idiotas sobre a vida. E a minha vida.

Sinto falta da nossa amizade.
De te contar as novidades. E saber as suas.

Sinto falta de te falar o quanto você me faz falta.
E de brigar e implicar contigo.

Sinto falta de te ter de novo...
Apesar de eu saber que dessa vez isso não vai acontecer.
Embora você me faça tanta falta... eu sei, que eu não faço mais falta pra você..

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

As 4 leis da espiritualidade - Para refletir.

As vezes acontecem coisas na nossa vida, que nós não entendemos porque. Nem o porque de acontecerem justamente naquele momento...

As 4 Leis da Espiritualidade ensinadas na Índia dizem o seguinte:


A primeira diz: “A pessoa que vem é a pessoa certa“.
Ninguém entra em nossas vidas por acaso.Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.

A segunda lei diz: “Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido“.
Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe.
Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não.
O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.

A terceira diz: “Toda vez que você iniciar é o momento certo“.
Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.

E a quarta e última afirma: “Quando algo termina, ele termina“. Simplesmente assim.
Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência.
Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Tem alguma coisa errada com o coração das pessoas... O que será?!

Impressionante como as pessoas estão confusas, perdidas e sem saber como agir quando o assunto é amor, relacionamento, fidelidade, comportamento masculino, feminino, enfim, quando o assunto passa pelo coração...

Recebo muitas – muitas mesmo – mensagens de mulheres e (acreditem!!!) de homens que se sentem decepcionados, expressando sua imensa vontade de desistir de procurar alguém interessante. Porque estão cansados de buscar e não encontrar. Ou pior, de caírem sempre em desencontros, em relacionamentos vazios, rasos, mascarados, cheios de problemas, desentendimentos e desafetos...

Parece que algo muito grave anda acontecendo, no entanto, acredito que para termos chegado a este ponto, onde homens e mulheres sentem-se constantemente insatisfeitos, procurando maneiras de compensar suas carências  - e até a raiva por não conseguirem ser feliz nos relacionamentos - é porque há um motivo anterior, um ponto a ser observado que antecede toda esta confusão..

A ala das mulheres tenta se defender alegando que os homens traem com uma freqüência muito maior que elas. Assim, declaram guerra contra os cafajestes...
Já a ala masculina insiste em dizer que as mulheres não são confiáveis, são interesseiras, cobram demais ou são mal-humoradas...

Enfim, parece que há uma confusão generalizada, que destrói sonhos, desejos, amores, boas intenções e possibilidades de encontros que nos acrescentem e nos conduzam à tão almejada evolução.
É isso: parece que os relacionamentos deixaram de ser sagrados, não no sentido de perfeitos, mas no que se refere a algo onde se pode investir mais, entregar-se mais, dar mais, aprender e crescer mais... E o mais intrigante é que ambos – homens e mulheres – buscam exatamente a mesma coisa, embora acreditem que não. Embora tenham a impressão de que se tornaram lutadores de idéias antagônicas. De objetivos absolutamente diferentes.

Portanto, a questão é: por que embora desejemos a mesma felicidade, o mesmo relacionamento, a mesma satisfação, tudo o que temos conseguido é decepção e desilusão?!?
Como podemos promover encontros válidos e mais duradouros?
Como podemos estabelecer maior confiança e disponibilidade entre os sexos e suas diferenças?
Sim, porque cada um tem o seu jeito de amar, de se doar, de compreender o amor e seus parâmetros de convivência.

Sei que é difícil entender o comportamento dos homens quando se é uma mulher e vice-versa. Mas de verdade, penso que as diferenças devam ser mais amorosamente acolhidas e menos – muito menos – julgadas e criticadas.
Em vez de desperdiçarmos toda a nossa energia e o nosso tempo, justificando nossa insatisfação a partir do comportamento do sexo oposto, que tal nos voltarmos mais para nós mesmos e simplesmente fazermos a nossa parte?
Do que estou falando? Simples! Estou sugerindo que você demonstre exatamente o que quer. Que aja conforme seus objetivos. Que deixe no armário as suas máscaras, os seus jogos, o seu desejo de parecer independente, auto-suficiente, completamente livre para ser feliz sem o outro.
Ter auto-estima é fundamental, mas quando a gente levanta uma bandeira do tipo "sou feliz sozinho e não preciso de você!" a gente termina assustando e afastando as pessoas.

Entretanto, todos esses sentimentos – solidão, tristeza, indignação, desejo de se relacionar, muita vontade de dividir segredos, alegrias, cobertor e até problemas – ficam camuflados em sorrisos falsos que lotam as danceterias, os bares, as festas, os cinemas e demais lugares que você possa imaginar... Ou seja, a linguagem não está clara. Os desejos estão maquiados, as carências estão disfarçadas... e nos esquecemos que as pessoas só enxergam na gente o que a gente mostra...
Então, tudo o que um vê no outro é um imenso engano!
E os encontros se tornam enganos... e o amor infelizmente, tem se tornado o maior deles...

Sugiro mais exposição, mais transparência, mais coragem de ser quem você é. Com seus medos, seus desejos e sua vontade de amar e ser amado. Sugiro que você seja mais coerente consigo mesmo. Que mostre seus sentimentos e se assuma. Mesmo sabendo que isso não é - em princípio - garantia para encontrar o grande amor da sua vida neste próximo final de semana.

Acredite no ritmo da vida e faça a sua parte. Sem ficar vestindo essa fantasia de mulher-independente-e-auto-suficiente ou de homem-viril-macho-pega-todas... Sem essa de que o amor já era!
Nunca estivemos tão carentes, tão sedentos de um simples cafuné, de um olhar mais demorado, de uma palavra mais carinhosa, de um abraço mais sincero...
Assuma-se e seja mais feliz!
  

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Pessoas que falam demais...

Certa manhã o meu pai, muito sábio, convidou-me a dar um passeio no bosque.
Deteve-se subitamente numa clareira e perguntou-me:
- Além dos pássaros, ouves mais alguma coisa?
Apurei os ouvidos e respondi:
Estou a ouvir o barulho de uma carroça.
- Isso mesmo, disse o meu pai, de uma carroça vazia.
Perguntei-lhe:
- Como sabe que está vazia, se ainda não a vimos?
- Ora, é fácil! Quanto mais vazia está a carroça, maior é o barulho que ela faz.
 Cresci e hoje, já adulto, quando vejo uma pessoa a falar demais, aos gritos, tratando o próximo com absoluta falta de respeito, prepotente, interrompendo toda a gente, a querer demonstrar que só ele é dono da verdade, tenho a impressão de ouvir a voz do meu pai a dizer:
- Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que ela faz!
_____
O que a gente mais vê por ai, são pessoas fazendo escândalos por nada. Humilhando um funcionário atrás de um balcão, humilhando a esposa, o namorado, o pai ou qualquer outra pessoa que tem a falta de sorte de ser a vitima do momento. Me sinto extremamente desconfortável quando presencio situações desse tipo ou quando eu mesma sou a vítima. De certa forma é como se aquela pessoa estragasse o nosso dia.

Dizem que pessoas que falam demais, têm um desequilíbrio interior. Gerar tantos ruídos externos é uma forma de calar, tentar silenciar aquilo que de alguma maneira precisa sair.
Pessoas que falam demais, mas não têm nada a dizer.

Por isso, não dê ouvidos a tudo que ouve. Principalmente, no momento em que perceber que aquela pessoa ta falando demais...Não permita que aqueles ruídos estraguem seu dia. Ao ausentar-se da cena, se benze...toma uma água e apague da memória aquelas palavras. 
Não se importe tanto, não se estresse tanto, nem muito menos seja esse tipo de pessoa que humilha os outros. Ninguém é melhor que ninguém..
Pessoas infelizes sentem prazer em descontar nos outros, a sua insatisfação perante a vida.

sábado, 9 de novembro de 2013

Um homem Inteligente Falando das Mulheres - Vale a pena ler.

O desrespeito à natureza tem afetado a sobrevivência de vários seres e entre os mais ameaçados está a
fêmea da espécie humana. Tenho apenas um exemplar em casa,que mantenho com muito zelo e dedicação, mas na verdade acredito que é ela quem me mantém. Portanto, por uma questão de auto-sobrevivência, lanço a campanha 'Salvem as Mulheres!'
Tomem aqui os meus poucos conhecimentos em fisiologia da feminilidade a fim de que preservemos os raros e preciosos exemplares que ainda restam:

1. Habitat
Mulher não pode ser mantida em cativeiro. Se for engaiolada, fugirá ou morrerá por dentro. Não há corrente que as prenda e as que se submetem à jaula perdem o seu DNA. Você jamais terá a posse de uma mulher, o que vai prendê-la a você é uma linha frágil que precisa ser reforçada diariamente.

2. Alimentação correta
Ninguém vive de vento. Mulher vive de carinho. Dê-lhe em abundância. É coisa de homem, sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro. Beijos matinais e um 'eu te amo’ no café da manhã as mantém viçosas e perfumadas durante todo o dia. Um abraço diário é como a água para as samambaias. Não a deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial.

3. Flores
Também fazem parte de seu cardápio – mulher que não recebe flores murcha rapidamente e adquire traços masculinos como rispidez e brutalidade.

4. Respeite a natureza
Você não suporta TPM? Case-se com um homem. Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia, discutir a relação? Se quiser viver com uma mulher, prepare-se para isso.

5. Não tolha a sua vaidade
É da mulher hidratar as mechas, pintar as unhas, passar batom, gastar o dia inteiro no salão de beleza, colecionar brincos, comprar muitos sapatos, ficar horas escolhendo roupas no shopping. Entenda tudo isso e apoie.

6. Cérebro feminino não é um mito
Por insegurança, a maioria dos homens prefere não acreditar na existência do cérebro feminino. Por isso, procuram aquelas que fingem não possuí-lo (e algumas realmente o aposentaram!). Então, aguente mais essa: mulher sem cérebro não é mulher, mas um mero objeto de decoração. Se você se cansou de colecionar bibelôs, tente se relacionar com uma mulher. Algumas vão lhe mostrar que têm mais massa cinzenta do que você. Não fuja dessas, aprenda com elas e cresça. E não se preocupe, ao contrário do que ocorre com os homens, a inteligência não funciona como repelente para as mulheres.

7. Não faça sombra sobre ela
Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu lado, nunca atrás. Assim, quando ela brilhar, você vai pegar um bronzeado. Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pé-na-bunda.

8. Aceite: mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar. O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para motivar os próprios. Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará salvando a si mesmo.
E meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, vire GAY.

Só tem mulher, quem pode!


___Luiz Fernando Veríssimo

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Na hora certa - Para Refletir

Um rei que não acreditava na bondade de Deus, tinha um servo que em todas as situações lhe dizia: 
Meu rei, não desanime porque tudo que Deus faz é perfeito, Ele não erra!


Um dia eles saíram para caçar e uma fera atacou o rei. 
O seu servo conseguiu matar o animal, mas não pôde evitar que sua majestade perdesse um dedo da mão.

Furioso e sem mostrar gratidão por ter sido salvo, o nobre disse: Deus é bom? 
Se Ele fosse bom eu não teria sido atacado e perdido o meu dedo.
O servo apenas respondeu: Meu Rei, apesar de todas essas coisas, só posso dizer-lhe que Deus é bom; e Ele sabe o porquê de todas as coisas.
O que Deus faz é perfeito. Ele nunca erra! 
Indignado com a resposta, o rei mandou prender o seu servo. 

Tempos depois, saiu para uma outra caçada e foi capturado por selvagens que faziam sacrifícios humanos.
Já no altar, prontos para sacrificar o nobre, os selvagens perceberam que a vítima não tinha um dos dedos e soltaram-no: ele não era perfeito para ser oferecido aos deuses.

Ao voltar para o palácio, mandou soltar o seu servo e recebeu-o muito afetuosamente. 
Meu caro, Deus foi realmente bom comigo! Escapei de ser sacrificado pelos selvagens, justamente por não ter um dedo! 
Mas tenho uma dúvida: Se Deus é tão bom, por que permitiu que você - que tanto o defende - fosse preso?

Meu rei, se eu tivesse ido com o senhor nessa caçada, teria sido sacrificado em seu lugar, porque não me falta dedo algum. 
Por isso, lembre-se: tudo o que Deus faz é perfeito.
Ele nunca erra! 

Muitas vezes nos queixamos da vida e das coisas aparentemente ruins que nos acontecem, esquecemos que nada é por acaso e que tudo tem um propósito. 

Toda manhã ofereça seu dia a Deus.
Peça para Ele inspirar os seus pensamentos, guiar os seus atos, apaziguar os seus sentimentos. E nada tema, pois Deus nunca erra!!!



_Autor Desconhecido.

sábado, 2 de novembro de 2013

O que te faz feliz?

Quando morava no sítio no interior de MG com meus pais, há uns 10 anos atrás, eu pensava que ser feliz seria morar numa cidade grande, ter um carro do ano e ser uma pessoa de sucesso. Apesar de me sentir extremamente feliz ao encontrar a primeira manga madura no pé, encontrar dinheiro no bolso da calça do meu pai, ou quando comia doce de leite fresquinho na colher...eu era feliz, muito feliz.

Quando me mudei pra SP me senti feliz quando 'pisei' nas terras paulistanas. Achei tudo tão grande, e fiquei mais feliz ainda quando recebi meu primeiro salário - na época R$321,00 reais. E também a primeira vez que ouvi a voz dos meus pais do outro lado da linha no telefone, e quando chegava em casa depois de um dia cheio de trabalho.


Mas até o dia em que sofri um acidente de carro, nada muito grave graças a Deus, eu não sabia que era ser feliz nessas pequenas coisas.
Fiquei internada cinco dias em função de uma cirurgia pra reconstruir meu nariz, e com três dias eu não via a hora de voltar pra casa. O mais  surpreendente é que eu sentia vontade de voltar pra casa, não pra fazer grandes coisas - voltar ao trabalho ou sair pra balada por exemplo - eu sentia vontade de voltar pra casa pra fazer meu café! Sentir o cheiro do café ao ser passado, colocá-lo na xícara e sentar em frente ao computador pra conversar a toa na internet. Essa imagem não saiu da minha cabeça enquanto não tive alta do hospital, e quando cheguei em casa a primeira coisa que fiz, foi fazer o café. Apreciei aquele momento como nunca havia feito antes. E até hoje quando sinto o cheiro de café ao ser passado, em qualquer lugar que eu esteja, eu me sinto feliz.
Descobri, que o que mais me faz feliz, não são as grandes conquistas que eu imaginava que seria quando morava no sítio do interior - claro que conseguir aquele emprego tão sonhado ou comprar o carro do ano faz qualquer um feliz - mas é uma felicidade passageira.

A maioria das pessoas acha que é feliz, quando as coisas andam bem ou quando isso ou aquilo acontece: quando consegue aquele emprego, ou aquela pessoa, ou aquela casa, ou aquele relacionamento. Quando coisas boas acontecem, ficam felizes...quando não acontece nada, ficam de mau humor ou desanimadas com a vida. Perdem sua felicidade passageira assim que algo começa a dar errado, não têm uma felicidade interna própria.

Sentir o cheiro de pão de queijo assando, o café ao ser passado, ler um bom livro, dormir até tarde, assistir um bom filme, encontrar dinheiro nos bolsos... é a melhor felicidade que alguém pode sentir.

A felicidade permanente que todos queremos e buscamos desenfreadamente, está mais perto do que imaginamos - nas pequenas coisas que fazemos no dia-a-dia. E o melhor de tudo: não depende de outras pessoas, nem do tempo, nem de circunstâncias e é de graça.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Tá solteira porque?

Não eu não sou uma pessoa azarada, pelo menos não na vida.
Quero falar é sobre o amor, sim porque ele vive me cutucando pra entrar nesse assunto...
Se pra você, saber que tem mais alguém azarada no amor além de você, te consola, então vamos lá...

Nunca fui uma pessoa muito namorável, talvez porque nunca levei relacionamentos muito a sério. Sempre priorizei outras coisas na vida, como por exemplo ganhar dinheiro ou sei lá... talvez ganhar dinheiro..hahaha.(Que fique claro que é  eu ganhar o meu dinheiro)...

Tudo começou errado lá pelos meus 16 anos de idade que é quando aconteceu meu primeiro beijo....eu sei, foi tardio, mas o que posso fazer, eu sou assim. Então pra começar, eu paquerava o carinha da escola há tempos, até que um dia ele me abordou e rolou meu primeiro beijo. Nos vimos outras vezes e como qualquer garota da minha idade na época, pensei que eu estava namorando. Um belo dia o encontro na mesma festa que eu estava e acompanhado de quem? Da sua NAMORADA! Sim, ele namorava e eu não sabia.
O tempo passou e eu conheci outros garotos e esses outros tinham NAMORADA.
Amadureci, cresci e deixei de ser ingênua. Disse que me vingaria. Com 18 anos conheci meu primeiro namorado de fato, até que um belo dia ele conheceu outra e me trocou por ela. Ok. Normal.
Me mudei pra SP e conheci muitas pessoas. Um dia qualquer conheci um garoto tão fofinho que só por Deus. Nos víamos quase todos os dias e após três meses de relacionamento eu descubro que ele tinha NAMORADA. Segundo ele, me conheceu quando estava dando aquele famoso 'tempo' no relacionamento. Xinguei um monte e não quis mais vê-lo. Sofri horrores.

Passado um tempo, conheço um homem numa baladinha perto de casa. Trocamos telefone e passamos a nos ver pelo menos duas vezes por semana, quando do nada ele some, como num passe de mágica. Não respondeu minhas duas únicas mensagens e eu entendi o recado. Vinte dias depois ele reaparece e conta que era CASADO e que me conheceu quando estava com 'problemas no casamento'.
Ok. Bola pra frente.

Num outro dia conheço um amigo de uma amiga que era muito gatinho. Ela nos 'apresentou' e nos vimos uma única vez numa festa de aniversário que ELE me convidou. Nos identificamos logo de cara um com o outro. Depois de uns dias minha amiga me conta que o carinha era GAY.  E ele próprio me confirmou depois. Na verdade bissexual.

Tempo vai tempo vem, conheço outro homem, mas dessa vez através da internet (na época do orkut). Trocamos msn e passamos a nos falar com frequência...mas algo nele não me fazia sentir vontade de conhecê-lo pessoalmente apesar de tudo.
Então depois de dois anos de conversa - isso mesmo, dois anos - nos conhecemos. Me apaixonei.
Nos vimos mais algumas vezes e depois descubro que ele era GAY enrustido. De novo. Esse sofri pra esquecer. Porque antes de nos envolvermos  - quero dizer, EU me envolver - nos tornamos grandes amigos.

Há pouco tempo conheci um outro homem, um homem perfeito de bonito, mas como já estou acostumada descobri que é casado. E faz umas duas semanas que conheci o último que obviamente, tem namorada.
Ai as pessoas olham pra minha cara e perguntam:
Mas é tão bonita, gente boa, responsável... ta solteira porquê?

                                                                          ***
P.s: Admito que sou uma pessoa exigente quanto a aparência principalmente no inicio. E as vezes por causa disso e com o aprofundar da relação, acabo fazendo vista grossa para o caráter. Tenho pago um alto preço por ser assim. Mas como tudo chega com a idade, tô aprendendo a ser mais flexível nesse quesito.

Pela minha experiência em atrair homens comprometidos - casados ou namorando - posso te assegurar que a aliança na maioria dos casos, não se encontra onde deveria estar, no dedo. A maioria não usa - pelo menos os que tenho o azar de conhecer.
Quanto ao resto, já pensei na possibilidade de ter escrito na testa sem que eu saiba: 'Ótima para amante'. ;)

terça-feira, 29 de outubro de 2013

O que você quer ser quando crescer?

Vídeo Motivacional...


Quem me tornei hoje (Farmacêutica) não é muito diferente de quem eu gostaria de ser quando crescesse (Aeromoça). Em se tratando de lidar com pessoas, zelar pelo outro ou me preocupar com a 'segurança' de outras pessoas. Mas como lição que aprendi com o vídeo, se for preciso começo de novo!

E você? O que quer ser quando crescer?
Lembre-se: Você é o único responsável pelo seu destino...

domingo, 27 de outubro de 2013

Três Conselhos - Para Refletir.

Recebi essa mensagem há um tempo atrás no e-mail e senti vontade de compartilhar. Primeiro, porque vale a pena ler, e segundo porquê bons conselhos nunca são demais não é mesmo?
Espero que você ainda não à conheça. Mas principalmente, que assim como eu, não se esqueça desses três conselhos e de sempre confiar em Deus em qualquer situação na sua vida...


Três Conselhos...

Um casal de jovens recém-casados, era muito pobre e vivia de favores num sítio do interior. Um dia o marido fez a seguinte proposta para a esposa:
"Querida eu vou sair de casa, vou viajar para bem longe, arrumar um emprego e trabalhar até ter condições para voltar e dar-te uma vida mais digna e confortável. Não sei quanto tempo vou ficar longe, só peço uma coisa, que você me espere e enquanto eu estiver fora, seja FIEL a mim, pois eu serei fiel a você. "
Assim sendo, o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajudá-lo em sua fazenda. O jovem chegou e ofereceu-se para trabalhar, no que foi aceito. Pediu para fazer um pacto com o patrão, o que também foi aceito.
O pacto foi o seguinte:
"Me deixe trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que devo ir, o senhor me dispensa das minhas obrigações.
EU NÃO QUERO RECEBER O MEU SALÁRIO. Peço que o senhor o coloque na poupança até o dia em que eu for embora.
No dia em que eu sair o senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho".
Tudo combinado.
Aquele jovem trabalhou DURANTE VINTE ANOS, sem férias e sem descanso.
Depois de vinte anos chegou para o patrão e disse:
"Patrão, eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa."
O patrão então lhe respondeu:
"Tudo bem, afinal, fizemos um pacto e vou cumpri-lo, só que antes quero lhe fazer uma proposta, tudo bem?
Eu lhe dou o seu dinheiro e você vai embora, ou LHE DOU TRÊS CONSELHOS e não lhe dou o dinheiro e você vai embora.
Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos; se eu lhe der os conselhos, eu não lhe dou o dinheiro.
Vá para o seu quarto, pense e depois me dê a resposta.
Ele pensou durante dois dias, procurou o patrão e disse-lhe: "QUERO OS TRÊS CONSELHOS."
O patrão novamente frisou: "Se lhe der os conselhos, não lhe dou o dinheiro."
E o empregado respondeu: "Quero os conselhos."
O patrão então lhe falou:

1. NUNCA TOME ATALHOS EM SUA VIDA. Caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida.
2. NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE É MAL, pois a curiosidade para o mal pode ser mortal.
3. NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO OU DE DOR, pois você pode se arrepender e ser tarde demais.
Após dar os conselhos, o patrão disse ao rapaz, que já não era tão jovem assim:
"AQUI VOCÊ TEM TRÊS PÃES, estes dois são para você comer durante a viagem e este terceiro é para comer com sua esposa quando chegar a sua casa.“
O homem então, seguiu seu caminho de volta, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.

Após primeiro dia de viagem, encontrou um andarilho que o cumprimentou e lhe perguntou: "Para onde você vai?“
Ele respondeu: "Vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por essa estrada."
O andarilho disse-lhe então: "Rapaz, este caminho é muito longo, eu conheço um atalho que é dez, e você chega em poucos dias...“
O rapaz contente, começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho, então voltou e seguiu o caminho normal.
Dias depois soube que o atalho levava a uma emboscada.

Depois de alguns dias de viagem, cansado ao extremo, achou pensão à beira da estrada, onde pode hospedar-se.
Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir.
De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para ir até o local do grito.
Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do segundo conselho.
Voltou, deitou-se e dormiu.
Ao amanhecer, após tomar café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia escutado gritos durante a noite, e ele respondeu que sim.
O hospedeiro perguntou-lhe se não estava curioso a respeito, e ele respondeu que não..
O hospedeiro prosseguiu: “VOCÊ É O PRIMEIRO HÓSPEDE A SAIR DAQUI VIVO, pois meu filho tem crises de loucura, grita durante a noite... e quando
o hóspede sai, mata-o e enterra-o no quintal.”

O rapaz prosseguiu na sua longa jornada, ansioso por chegar a sua casa.
Depois de muitos dias e noites de caminhada... Já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça de sua casinha, andou e logo viu entre os arbustos a silhueta de sua esposa.
Estava anoitecendo, mas ele pode ver que ela não estava só.
Andou mais um pouco e viu que ela tinha entre as pernas, um homem a quem estava acariciando os cabelos.
Quando viu aquela cena, seu coração se encheu de ódio e amargura e decidiu-se a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade.
Respirou fundo, apressou os passos, quando lembrou-se do terceiro conselho.
Então parou, refletiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte tomar uma decisão.
Ao amanhecer, já com a cabeça fria, ele pensou:
"NÃO VOU MATAR MINHA ESPOSA E NEM O SEU AMANTE.
Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta.
Só que antes, quero dizer a minha esposa que eu sempre FUI FIEL A ELA".

Dirigiu-se à porta da casa e bateu.
Quando a esposa abre a porta e o reconhece, atira-se em seu pescoço e o abraça afetuosamente.
Ele tenta afastá-la, mas não consegue. Então, com lágrimas nos olhos lhe diz: "Eu fui fiel a você e você me traiu..."
Ela espantada lhe responde: "Como? Eu nunca lhe trai, esperei durante esses vintes anos!"
Ele então lhe perguntou: "E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer?"
"AQUELE HOMEM É NOSSO FILHO. Quando você foi embora, descobri que estava grávida. Hoje ele está com vinte anos de idade.“
Então o marido entrou, conheceu, abraçou o filho e contou-lhes toda a sua história, enquanto a esposa preparava o café.
Sentaram-se para tomar café e comer juntos o último pão.
APÓS A ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO, COM LÁGRIMAS DE EMOÇÃO, ele parte o pão e, ao abri-lo, encontra todo o seu dinheiro, o pagamento por seus vinte anos de dedicação!

Muitas vezes achamos que o atalho "queima etapas" e nos faz chegar mais rápido, o que nem sempre é verdade...
Muitas vezes somos curiosos, queremos saber de coisas que nem ao menos nos dizem respeito e que nada de bom nos acrescentará...
Outras vezes, agimos por impulso, na hora da raiva, e fatalmente nos arrependemos depois...

terça-feira, 22 de outubro de 2013

O que você tem feito de fato, pra mudar a sua vida?

Porque reclamar a gente sabe né. Procuramos culpados em tudo.... somos peritos em encontrar
culpados. Culpamos o governo, a cidade, o tempo, as pessoas ao nosso redor. Culpamos o nosso trabalho e o nosso destino...miserável e ingrato;
Sabemos o quanto nos dedicamos a algo, mas ninguém está vendo nossos esforços!
Não sabemos por exemplo, o  quanto de fato, deveríamos ter dedicado para que alcançássemos aquele objetivo tão esperado. Uma promoção no trabalho, um novo emprego, um namorado, uma oportunidade.
Como se pra todo mundo acontecesse, mas pra gente não! Reclamar se tornou um hábito de vida.

Em nenhum momento paramos pra nos perguntar: O que eu tenho feito de fato pra mudar a minha vida? Tenho investido na minha carreira... tenho economizado dinheiro... tenho conversado com pessoas fora do meu convívio.... tenho feito o que?
Tem coisas na vida que só dependem de nós! E arrisco dizer que quase tudo na vida, depende apenas de nós!

O melhor momento é o momento que você decidir mudar. Conheço uma pessoa que largou o emprego para montar sua empresa no meio da crise econômica. Todos achavam que ele estava louco e que não era o momento. Hoje ele me disse, que se não fosse a crise, jamais teria conseguido crescer seu negócio tão rapidamente. Devido aos investimentos que seus concorrentes fariam. (Pierre Schürmann em Isto é independente.)
Querer mudar alguma coisa, já um começo. Ler o texto até aqui, já é um começo. Agora algo tem que brotar ai dentro de você! Brotar e crescer!!


Chega de acordar todo dia desanimado com as circunstâncias da vida. Da vida que você escolheu ter! Se pode melhorar alguma coisa e ter uma vida maravilhosamente boa e confortável, desde que você não passe por cima de ninguém, tem todo o direito de ter!

Comece mudando aos poucos..
Mude por exemplo, seus pensamentos. Aceitando que você pode e deve ter uma vida melhor.
Depois mude pequenas atitudes no dia-a-dia. Desde um bom dia ao porteiro à começar a engolir sapos no trabalho. Lembre-se: você tem um objetivo maior que qualquer outro: ser feliz! E as vezes engolir sapos no caminho faz parte da realização.
Se for preciso começar do zero, comece! Mas faça alguma coisa pra mudar.

Sabemos que infelizmente não dá pra ser feliz em tempo integral. Existem coisas que acontecem que não são  provocadas por nós e que afetam drasticamente o nosso animo e a nossa vida como um todo. Mas deixar que essas coisas, abalem os nossos objetivos cabe apenas a nós!

Quer seja seu emprego, seu namoro, seu casamento, seus amigos, ou a sua vida como um todo... mude o que não está te agradando! 
Ser feliz dá trabalho. Mas ser infeliz dá muito mais. Se você pode fazer alguma  pra amenizar as amarguras do seu coração. Porque não fazer??
Tem que ser uma tarefa diária, urgente e inadiável!

Sei que parece fácil falar, mas a partir do momento que você mudar alguma coisa dentro de você, outras coisas mudarão em consequência disso. Você só precisa sair da zona de conforto e dar o primeiro passo.

Depois me conta ;)

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Palavras soltas...

Não peço carona mas já entrei em carro de estranhos.
Não gosto de roupas vulgares nem de comportamento escandaloso.
Não ligo para um homem depois do primeiro encontro, nem fico mal caso ele não ligue.
Não demonstro excesso de afeto nem sou fria ao ponto de não sentir nada.


Não mando msgs de boa noite mas agradeço quando recebo e retribuo em um dia qualquer.
Não ligo no mesmo número de telefone mais que uma vez no dia se não for nada urgente.
Nem retorno a ligação perdida assim que vejo o registro no celular. Mas retorno quando estou disponível a qualquer hora do dia.
Acredito em amor a primeira vista. Mas tô mudando de ideia.

Não vou pro motel no primeiro encontro apesar de já ter feito isso pra saber qual era a sensação e odiei.
Nunca ganhei flores e nunca me culpei por isso..
Se eu estiver bêbada sou um perigo com o celular na mão. Mas nunca cheguei ao ponto de me humilhar por ninguém.
Não peço dinheiro emprestado nem que eu precise muito. Ha sempre de haver uma segunda alternativa. Mas empresto de bom coração caso alguém me peça e eu tenha disponível pra emprestar.

Odeio festas de aniversários.

Amo café, vinho e chocolate quente. Mas entre amigos prefiro cerveja.
Já entrei em depressão e já sai dela. Graças a Deus. E pelo mesmo motivo já tentei me suicidar.
Já achei justo dividir a conta no primeiro encontro. E já mudei de ideia.

Prefiro doce de leite a qualquer outro doce. Mas se tiver doce de leite e de mamão, talvez eu aceite os dois.
Faço quatro refeições ao dia e faria mais uma se eu tivesse um excelente apetite. Acredito que depois que emagreci perdi também um pouco de espaço no estômago.
Talvez por isso, eu não goste muito de rodízios. Me sinto extremamente desconfortável à mesa quando o assunto é comer muito.
Odeio inglês, amo espanhol e faria de tudo pra falar francês fazendo biquinho. Lá em Paris, claro.

Não gosto muito de visitar parentes.

Confio no meu taco e posso dizer que pouquíssimas vezes não sou retribuída em troca de olhares. Admito que preciso fazer isso mais vezes.
Acordo quase sempre de mau humor. Mas melhoro com o passar do dia. As vezes não.
Sei andar de bicicleta e dias atrás quase comprei uma. Mas tô querendo uma moto. O carro é minha prioridade.
Tenho um diário e escrevo nele quase todos os dias desde os 15 anos de idade. Não sei o que seria de mim, se eu não pudesse colocar minhas angústias em palavras escritas..
Sei cozinhar e modéstia parte cozinho muito bem. Mas adoro cozinhar coisas diferentes...rotina me cansa com muita facilidade.

Trabalho de segunda a sábado e meu sonho é trabalhar de segunda a sexta.
Amo viajar mas um fim de semana em casa não faz mal a ninguém.
Choro ao ver filmes de romance. Mas choro mais ainda  com os filmes de drama que envolvam doenças, famílias e crianças. Prefiro suspenses.

Amo meus pais e nunca disse isso a eles.

Odeio tampa de microondas, não serve pra nada! Sempre tiro antes de usá-lo.
Gosto de futebol e adoro discutir sobre o assunto com os homens. Me sinto tão leiga!hahaha
Não tenho medo de aranhas. Nem de baratas.

Morro de medo de trocar lâmpadas e talvez eu fique no escuro até que alguém faça isso para mim.
Não corro atrás de ônibus nem que aquele seja o único em menos de 2 hrs. Sento e espero o próximo!
Amo dormir até tarde quando estou de folga. Mas me culpo por ter perdido metade do dia.
Domingos a tarde me dão tédio e depressão. Sempre acho que vou morrer às segundas-feiras. E talvez por isso eu as odeie tanto.

Quero ter dois filhos. Uma menina e um menino. Mas não acredito muito mais nisso.
Talvez eu faça inseminação artificial. Já me assustei com a ideia e hoje a aceito de bom coração.
Não acredito que eu terei uma vida longa. Nem você e nem ninguém, se nós não nos preocuparmos de verdade com o planeta!

Faço pós graduação, mas faria outra graduação se soubesse ao certo o que eu queria ser quando crescesse. Pergunte mais aos seus filhos o que eles querem ser quando crescerem, e preste mais atenção às respostas. Talvez você precise lembra-los disso quando forem adultos.
Não acredito em amor incondicional. Exceto pelos meus pais.
Já me preocupei muito com o opinião dos outros. Hoje nem tanto.
Já me culpei muito por ser quem eu sou. Hoje me amo pelos mesmos motivos.

sábado, 19 de outubro de 2013

Manual do desapego......A arte de não se importar.

Encontrei esse texto na net e além de engraçado, achei muito útil pra quem ta pensando em se desapegar de algo ou alguém.. 
Já sofri muito desse mal, mas assim como a autora do texto, hoje me considero uma pessoa desapegada. Concordo que as vezes não é muito bom..mas se souber dosar o seu grau de desapego e souber exatamente de quem ou de quais coisas se desapegar, valerá muito a pena..;)

Manual do Desapego

Eu me considero uma pessoa desapegada. Não aconselho isso para ninguém, viu? Acho que ser desapegada traz muitos problemas, assim como traz soluções.
Um problema, por exemplo, é que já perdi gente que eu gostava bastante porque não fazia o menor esforço para sair com ela e ainda fazia questão de dizer isso.
Mas os benefícios são enormes. O principal deles, é, claro, não sofrer por amor. Pessoas desapegadas não sofrem por amor. Também não sofrem por serem as últimas escolhidas para jogar queimada. O desapego prega isso.
Então vamos ao texto:

DESAPEGANDO-SE 
Um guia prático na arte de não se importar.

INTRODUÇÃO
O desapego é um eterno exercício. Não é porque seguirá as regras aqui desenvolvidas que você conseguirá, de fato, se desapegar. As personalidades não deixam. O que é importante ter em mente é que não basta seguir o programa uma única vez, mas sim tornar o Manual do Desapego um estilo de vida.
Se você está certa de que é esse o caminho que quer seguir, vá em frente. Se não, pare agora mesmo.
Não adianta aplicar o exercício só para algumas situações. É preciso fazer disso uma filosofia, uma rotina. Você precisa sim mudar a sua personalidade apegada.

CAPÍTULO 1 – Foda-se
O mais importante mantra do desapego é o “Foda-se”. Aliás, esse é um mantra que deveria servir para a sua vida sempre.
Seu chefe te odeia? Foda-se!
Está chovendo lá fora e você vai despentear seu cabelo? Foda-se
Seu amigo acha sua saia feia? FODA-SE
Saber dizer foda-se é o primeiro passo para viver em harmonia com o mundo. Porque o mundo é uma merda. E não há nada que você possa fazer para mudar isso. O Bono tenta. Ele conseguiu? Não. O Al Gore tenta. E estamos aí, preferindo automóveis a metrô. Ninguém vai mudar o mundo de uma hora pra outra.
E tem aquela história de que vamos todos morrer um dia, não é? Pois é. Vamos mesmo.
Não me leve a mal. Eu realmente acredito que a gente deve fazer a diferença quanto às mudanças climáticas. Acho que todo mundo deve se motivar a mudar o mundo. Mas se você não consegue você vai fazer o quê? Sentar e chorar?
NÃO!
Você vai levantar a cabeça e gritar para o mundo: FODA-SEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
Porque se você vai morrer um dia, todo mundo também vai. E se você fez a sua parte talvez você realmente seja um dos sobreviventes que poderá olhar para toda a humanidade e falar: I TOLD YOU SO.

CAPÍTULO 2 – Eu sou mais eu
Gostar de si mesmo é um ponto fundamental na arte do desapego. Não adianta nada você odiar todo mundo se você é um bosta. Se você é um bosta nem você mesmo vai aguentar viver só com você mesmo.
Por isso, se olhe no espelho e dê risada dos seus defeitos.
Não é para olhar no espelho e dizer que você ama seu queixo, sua boca, seus olhos, seu cabelo… É para olhar e falar: Eu sou gorda, meu cabelo é feio, meu olho é torto… Por que todo mundo tem defeitos. E você precisa aceitar os seus. E amá-los.
Profundo, né?

CAPÍTULO 3 – Ninguém é tão foda
Como eu disse, todo mundo tem defeitos.
Fique com isso em mente sempre que conhecer alguém.
A gente pode estar morrendo de amores por alguém, mas tem que ter em mente tudo o que aquela pessoa tem de pior:
Ele é muito simpático, mas é feio. Ele me trata muito bem, mas demora para tomar uma atitude. Ele é perfeito para mim, mas não me quer.
Tudo tem um mas. Tudo tem um porém. Para se desapegar é importante focar no porém. O porém é justamente aquilo que você vai usar quando precisar se desapegar daquele ex grudento.
Saber os defeitos ajuda para que você também não morra de amores por alguém. Morrer de amores não é saudável.
Lembre-se, você precisa morrer de amores por você. Você gosta dos SEUS defeitos. Mas os defeitos dele são patéticos. Você se irritaria se vivesse duas semanas com uma pessoa com esses defeitos!

CAPÍTULO 4 – EU NÃO AGUENTO
Saber os defeitos das pessoas não deve te afastar delas. Deve apenas te dar um limite.
Você precisa sempre ponderar se aqueles defeitos são toleráveis ou não. Se são toleráveis, em que nível de convivência? Você aguentaria passar um final de semana com aquela pessoa? E vê-la todos os dias da sua vida? Falar ao telefone com ela te incomoda?
Essa técnica também ajuda a escolher amigos e pode muito bem ser aplicada com a maldade. Se você sabe o que você não gosta nos seus amigos, sabe qual deve ser a quantidade de vezes que vocês podem se encontra por semana para que a amizade seja duradoura.

CAPÍTULO 5 – Saiba de quem se desapegar
É muito importante que você saiba de quem se desapegar. Mas essa técnica só virá quando você tiver dominado os 4 passos anteriores desse programa super eficiente.
Família não deve ser vítima do desapego. Alguns amigos também não. É para isso que você dominou o passo descrito no capítulo 4. Você deve saber a que distância ficar para não torná-los vítimas do seu ódio.
Ame sua família, ame seus amigos, ame seu pet. Pets, aliás, não devem NUNCA ser vítimas do desapego.

CAPÍTULO 6 – Direcionamento
Falhas virão. Ninguém (nem mesmo eu) consegue ser totalmente desapegada. Se consegue é meio psicopata e isso é bom. Porque ninguém quer ser apegado a uma psicopata.
Se as falhas acontecerem é importante que você direcione a sua tristeza ou raiva ou whatever para algo.
Se você é uma pessoa violenta, tenha uma almofada, um bichinho de pelúcia vesgo e um taco de baseball sempre por perto. Um stress toy também deve funcionar.
Eu, como sou introspectiva e quieta, gosto de escolher uma música ou um filme para curar meu coração partido ou qualquer coisa semelhante.
Recomendo “Procurando Nemo”, que sempre me anima.
As músicas variam de tempos em tempos, mas eleger algo que “toque seu coração” é sempre muito útil. Em qualquer situação.


Fonte: http://antipatia.wordpress.com/

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

As pessoas entram em sua vida por 3 motivos - Para Refletir.

E quando você entender, vai saber exatamente o que fazer por cada pessoa...
As pessoas entram em nossas vidas por uma "Razão", uma "Estação" ou uma "Vida Inteira".

Quando alguém está em sua vida por uma "Razão"... é geralmente, para suprir uma necessidade que você demonstrou. 
Elas vêm para auxiliá-lo numa dificuldade, te fornecer orientação e apoio, ajudá-lo física, emocional ou espiritualmente.
Elas poderão parecer como uma dádiva de Deus, e são! 
Estão lá pela razão que você precisa que elas estejam lá.
Então, sem nenhuma atitude errada de sua parte, ou em uma hora inconveniente, esta pessoa vai dizer ou fazer alguma coisa para levar essa relação a um fim. 
As vezes, essas pessoas morrem...
As vezes, elas simplesmente se vão... 
E as vezes, eles agem e te forçam a tomar uma posição. 
O que devemos entender é que nossas necessidades foram atendidas, nossos desejos preenchidos e o trabalho delas, feito. 
As suas orações foram atendidas. E agora é tempo de ir...

Quando pessoas entram em sua vida por uma "Estação", é porque chegou sua vez de dividir, crescer e aprender. 

Elas trazem para você a experiência da paz, ou fazem você rir. 
Elas poderão ensiná-lo algo que você nunca fez..
E geralmente, te dão uma quantidade enorme de prazer... Acredite! É real! 
Mas somente por uma "Estação".

Relacionamentos de uma "Vida Inteira" te ensinam lições para a vida inteira: coisas que você deve construir para ter uma formação emocional sólida. 

Sua tarefa é aceitar a lição, amar a pessoa, e colocar o que você aprendeu em uso em todos os outros relacionamentos e áreas da sua vida. 
É dito que o amor é cego, mas a amizade é clarividente. 
Então, agradeça por todas as pessoas que fazem ou fizeram parte da sua vida.
Nenhuma pessoa entrou nela por acaso!

Pare aqui e simplesmente SORRIA.

"Trabalhe como se você não precisasse do dinheiro,
Ame como se você nunca tivesse sido magoado, e dance como
se ninguém estivesse te observando."

"O maior erro da vida é não fazer NADA."


__Martha Medeiros




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...